Peço a compreensão dos amigos...

domingo, 24 de janeiro de 2010 · 2 comentários

Queridos Amigos...

Ultimamente tem sido difícil a reposição de textos, ideias e etc.
É que a fase de conclusão de curso, monografia e afins tem sugado parte do tempo [às vezes tão mal aproveitado!]... E com isso, estou devendo a constante atualização de nosso iniciante blog.
Muito grato a todos que cooperam com sua visita, por mim tão querida e preciosa.
Estamos por aqui, aguardando que permaneçam  conosco porque...
Ah... vai dar tudo certo nessa vida!

Té breve!

Incerteza

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010 · 5 comentários








Em que acreditar?
Onde depositar as esperanças?
Onde se pode encontrar águas límpidas e profundas, ou um lindo bosque, 
escondido sob um luzidio fim de tarde?
Onde se pode ouvir a queda de uma pétala seca?
Onde se refugiar do medo?
Onde encontrar a força que obste as incertezas?
Como fugir das lágrimas?
Como alcançar o invisível e tornar claro o inevidente?
Onde vivenciar a limpidez da sinceridade, ou assumir a performance impetuosa do vento?
Como vencer as fragilidades do coração?
Como encarar a vida, ao mesmo tempo, driblando a coragem?
Como olhar pra dentro de si e defrontar a sequidão que às vezes nos aprisiona?
Como não chorar a sós, na lembrança dos problemas, ou no alvitre do choro alheio?
Onde se pode encontrar águas límpidas e profundas, ou um lindo bosque, 
escondido sob um luzidio fim de tarde?
Onde se pode ouvir a queda de uma pétala seca?
Onde e como perceber o sorriso do tempo?
Como materializar a inspiração se, embora consumada, permanece dentro do artista?
Como fomentar o sorriso num mundo como este?
Como explicar a densidade dos pensamentos, tão “tocáveis”?
Onde encontrar a cura para um coração apaixonado?
Como saciar a sede do miserável ante a inércia luxuosa do leviano opulento?
Como encontrar nossos defeitos antes que outros o façam?
Onde está a alegria, o repouso, o lago translúcido naquele lindo bosque?
Onde estão a experiência e a inteligência, quando mais se precisa delas?
Onde estou agora, ao compor isto, que flui não sei de onde?
Como posso não vencer a mim mesmo, sabendo que sou tão fraco?
Como pode, onde, de que maneira, será possível obter respostas?
Como ultimar as indagações, se elas são maiores e mais numerosas que as certezas?
Como, onde, quando?
Onde se pode encontrar águas límpidas e profundas, ou um lindo bosque, 
escondido sob um luzidio fim de tarde?
Onde se pode ouvir a queda de uma pétala seca?
Como ultimar as indagações, se elas são maiores e mais numerosas que as certezas, minhas incertezas?
Onde? Como? De que maneira?






Prosinha Passável

sábado, 2 de janeiro de 2010 · 0 comentários






Que toada soa ao longe,
Audível, ardente, que chega pra gente
Traz consigo os acordes de quem?
Da noite, da névoa, da escuridade...
Ao candongueiro segue a batida
Que retrata a chegada e a ida
De um dedilhado que espelha o choro.
O choro, o samba, a bossa
A bossa que traz o choro, que rega a alma.
O choro que encontra a bossa chegando
O samba que chora, na bossa que chega
Saudade que o dedilhado denuncia
Anuncia a chegada do vento, de outras paragens
De outras viagens, de outras e outras...
De outras palhetas, outras pestanas
Outras deixas, novas letras
Dissonância entrelaçada ao puro
Ouvidos sensíveis, navegantes, viajantes...
Guardam consigo os acordes de quem?
Da noite, da névoa, da escuridade...
Ao candongueiro segue a batida
Que retrata a chegada e a ida
De um dedilhado que espelha o choro.
Chora meu peito
Samba minha saudade
Bossa minha vida
No samba da história
No choro da distância
Na bossa da vida.

Chora meu peito
Samba minha saudade
Bossa. Minha vida.














responsabilidade

Espaço de conteúdo [basicamente] acadêmico. Ainda em construção, este blog publica textos entregues em trabalhos da faculdade, além de pensamentos e comentários do próprio autor. A intenção é justamente essa: que você leia e critique. Que você goste ou não. Dividem a responsabilidade comigo os que comentam neste espaço.
English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog